Cibercultura

Quarta, 18 de Outubro de 2017

 

O GT de Cibercultura pretende focar os seus interesses de reflexão e debate sobre as reconfigurações socioculturais promovidas e refletidas pela inserção e pelos usos da tecnologia digital nas diferentes esferas do quotidiano. Considerando uma característica específica da contemporaneidade a ubiquidade dos artefactos tecnológicos e permanente acessibilidade/reutilizabilidade dos demais conteúdos online, dá-se um enfoque especial aos processos tecno-culturais que simbolizam a remediação dos saberes e das linguagens, assim como ao estatuto adquirido pelo conhecimento: as peculiares implicações da sua produção, transmissão e reprodução. 
Entre tecnologia e cultura existe, desde sempre, um elo constitutivo e um encadeamento especular, mas as articulações entre as duas dimensões remetem constantemente para novos desafios societais e epistemológicos. Tal ecossistema infocomunicacional,reconfigurando-se, desafia continuamente a análise empírica, os métodos e a reflexão teórica numa convergência metadisciplinar. Nesse sentido, será importante comparar práticas culturais e valores sociais que permeiam e refletem as várias facetas da Cibercultura e dos seus múltiplos e diferentes atores.


Coordenador: Vania Baldi (UA)
vbaldi@ua.pt
Coordenador-adjunto: Cátia Ferreira (Universidade Católica Portuguesa)

Objetivos

  • Estreitar laços de comunicação entre os membros do GT, através de comunicação regular sobre iniciativas de interesse para o GT. 
  • Concretizar Encontros do GT para além dos momentos ligados aos Congressos regulares da SOPCOM.  
  • Concretizar iniciativas de publicação em livros ou edições especiais, de preferência em editores ou revistas indexadas.
  • Contribuir para o aprofundamento da massa crítica em torno da discussão dos tópicos objeto de reflexão, através a promoção de atividades que se cruzem com os interesses da comunidade.
  • Projetar o trabalho do GT em termos nacionais e internacionais, através da divulgação das iniciativas e trabalhos realizados.
  • Criação de uma rede de ligações de centros estrangeiros à página do GT, para, a partir dessa rede, tentar desenvolver interações de vária ordem.  

Investigadores

  •  
  • Vania Baldi [Responsável]
  • Cátia Ferreira [Co-Responsável]
    • Jorge Manuel Martins Rosa 
    • Lídia Oliveira 
    • Alexandra Fontes Mira da silva Machás 
    • Luís António Martins dos Santos 
    • Albertino José Ribeiro Gonçalves 
    • Cláudio Márcio Magalhães 
    • José Gabriel Andrade 
    • Jussara Borges de Lima Ribeiro 
    • Carla Ganito 
    • Daniel dos Santos Cardoso 
    • Pedro M. A. Rocha 
    • Mário Vairinhos
    • Ana Melro 
    • António Alberto Castro Baía Reis 
    • Frederico de Carvalho Figueiredo 
    • Ana Cirne Paes de Barros 
    • Marina Gomes de Oliveira Polo 
    • Liliana de Jesus Baptista Gonçalves 
    • Frederico Franco Madeira da Fonseca 
    • Teresa Cardoso 
    • Catarina Patrício 
    • José Albuquerque 
    • Ana Margarida Castelo Baptista Coelho 
    • Milena do Socorro Oliveira Albuquerque

Colóquio e Call for Papers - Dpartamento Comunicaçao e Arte, UNiversidade de Aveiro - 18 de Outubro 2017

Targeting, Fake News e Ciberpopulismos: Entre Algoritmos e Cibercultura  

 

 

Ainda que fazer manualmente uma operação tão simples quanto uma divisão envolva a aplicação de um algoritmo, nunca como nos tempos mais recentes a expressão foi tão usada.

 

Tal expressão já não remete apenas para as operações de raciocínio lógico, mas sempre mais para processos complexos de computação de grandes massas de dados, destinados a extrair todo o tipo de correlações.

 

Em concomitância com esta ascensão dos algoritmos, a outrora proclamada sociedade da informação e do conhecimento parece estar a revelar-se uma sociedade em que tudo é automaticamente registado e transfigurado pelo «targeting», paradoxalmente fragmentando-se em redes isoladas e fanaticamente polarizadas entre si.

O recente debate sobre a pós-verdade confirma a emergência duma sociedade da desinformação assente na «confirmation bias» e nas «echo chambers». A desintermediação mostrou o seu avesso, a credulidade falaciosa.

A contemporânea vaga de populismos parece ter o seu embrião nesta dimensão cibercultural até há pouco ignorada, que agora ameaça pôr em causa o ideal emancipatório que nos foi prometido com o acesso ao mundo digital. Ou será também essa uma imagem da contemporaneidade que nos foi vendida? 

Trata-se duma questão multidimensional, que abrange questões jornalísticas, epistémicas, estéticas, políticas, educacionais, sociotécnicas e ciberculturais, a que este colóquio procura dar resposta.

O colóquio terá lugar no dia 18 de Outubro no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro. As comunicações aí apresentadas (cujas propostas em formato abstract devem chegar até dia 16 de julho ao vbaldi@ua.pt e dedalus.jmmr@gmail.com), depois de sujeitas a um segundo processo de «peer reviewing», serão publicadas num número especial da revista OBS*: Observatório

Special Issue (OBS*): As Formas Contemporâneas dos Conflitos e das Apostas Digitais

Em 2017, e enquanto coordenadores do Grupo de Trabalho em Cibercultura da SopCom: Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação, propusemos uma discussão sobre a problemática multidimensional que abrange questões jornalísticas, epistémicas, estéticas, éticas, políticas, educacionais, sociotécnicas e ciberculturais, então sob a forma de um colóquio intitulado “Targeting, Fake News e Ciberpopulismos: Entre Algoritmos e Cibercultura”, que teve lugar na Universidade de Aveiro, em co-organização com o DigiMedia e com o ICNOVA, as unidades de investigação em que cada um de nós está integrado. A riqueza e diversidade das comunicações aí apresentadas levou-nos a propor à Observatório: OBS* que acolhesse esta temática num número especial, para o qual os participantes desse colóquio poderiam submeter os respetivos textos, em conformidade com as regras de blind peer reviewing que integram a política editorial desta revista.
http://obs.obercom.pt/index.php/obs/issue/view/65