Estudos Fílmicos

No livro de actas do 4º Congresso da Sopcom, o nosso saudoso e querido Vítor Reia-Baptista, sintetizava os princípios do nosso Grupo de Trabalho, que aqui recuperamos, em jeito de homenagem:

A área de Estudos Fílmicos, assim como as áreas com designações equivalentes (por exemplo a norte-americana de «Cinema Studies») tem demonstrado, em geral, uma capacidade de estudo e de evolução investigacional, reflectindo as principais correntes de pensamento crítico que se têm afirmado, ao longo de algum tempo, em todas as áreas dos estudos culturais. No entanto, também é fácil constatar que algumas dessas correntes de reflexão e de crítica, com o passar dos tempos, acabam por fazer o seu próprio caminho, por vezes muito mais ligado às evoluções das características conjunturalmente predominantes – sejam elas de carácter essencialmente tecnológico, artístico ou sócio­cultural – do que às características mais directamente relacionadas com elementos específicos de estudo fílmico ou cinematográfico. É nestes contextos de  reflexão que,  para  além  dos campos tradicionais da história, da teoria e da crítica cinematográficas (de carácter ético, estético, psicológico, sociológico, económico, …) se foram estabelecendo géneros e perspectivas de estudo, por vezes afins com os géneros de produção estabelecidos ou emergentes, mas também  complementares e adjacentes a  outras áreas de estudo como a  antropologia (muito  marcante  nos estudos norte-americanos sobre  «afro­american, hispano­american e  native­american cinema») ou  os estudos de  género (igualmente  marcantes nas abordagens usualmente designadas por «gay e lesbian cinema», ou, mais recentemente, por «queer cinema») e nestes, muito particularmente  no que  respeita  ao desenvolvimento de  um campo de estudos feministas, onde  pontuam casos óbvios de  referência como, por exemplo, os de Janet Staiger, Elizabeth Cowie e Teresa deLauretis. Igualmente interessante é notar a emergência de novas abordagens de algumas cinematografias nacionais, como a chinesa, mas também de reenquadramento de cinematografias já anteriormente bastante estudadas como a indiana e a brasileira e que surgem agora ilustradas por novas perspectivas de enfoque, como nos mostra de forma especialmente interessante e próxima o caso brasileiro também designado por «Cinema da Retomada». 

Coordenação

Ana Catarina Pereira 

anacatarinapereira4@gmail.com

Professora Auxiliar na Universidade da Beira Interior e Doutorada em Ciências da Comunicação, na vertente Cinema e Multimedia, pela mesma universidade. É representante da Faculdade de Artes e Letras na Comissão para a Igualdade da UBI. Investigadora do centro LabCom, desenvolve a sua pesquisa nas áreas de Estudos Feministas Fílmicos, Cinema em Português, Pedagogia e Artes, com diversos artigos em revistas internacionais. Sendo uma das fundadoras e co-organizadoras da Conferência Internacional de Cinema e as Outras Artes, realizada anualmente na UBI, é também coordenadora do GT de Estudos Fílmicos da SOPCOM, e júri convidada da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, do ICA e de diversos festivais. É autora dos livros A Mulher-Cineasta: Da arte pela arte a uma estética da diferenciação (2016) e Estudo do Tecido Operário Têxtil da Cova da Beira (2007). Co-organizou as obras Filmes (Ir)refletidos (2018); UBICinema 2007/2017Geração Invisível: Os novos cineastas portugueses (2013); e Colectânea de Poesia  Poetas do Fundão (2011), entre outras. Gere o site Universal Concreto, com informação actualizada sobre o seu trabalho: https://www.universalconcreto.org/

 

Anabela Dinis Branco de Oliveira 

literaturaecinema@gmail.com

 

Professora Auxiliar na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e investigadora no LabCom. Doutorada em Literatura Comparada, orienta a sua investigação científica no âmbito dos estudos interartes, nomeadamente nas relações entre literatura e cinema, literatura e arquitetura e também na cinematografia de Manoel de Oliveira, Fellini e Jacques Tati. Leciona vários seminários no âmbito da análise do discurso fílmico e das relações dialógicas entre o cinema e as outras artes. Tem comunicações apresentadas em múltiplos colóquios e publicações em revistas nacionais e internacionais. Tem sido conferencista convidada nas universidades de Paris III, Paris Ouest Nanterre La Défense, Utrecht, Varsóvia, Lublin e Gdańsk, e participado em júris e workshops em festivais e mostras de escolas de cinema (Avanca, MIFEC, Festival de Cinema de Ourense, Festfilm-Montpellier, Cinanima, São Tomé Fest Film, Arroios Film Festival, Porto Femme International Film Festival) e nos júris nacionais do ICA (2014-2019). É Diretora do RIOS – Festival Internacional de Cinema Documental e Transmedia; Co-fundadora e co-organizadora do Encontro Internacional O Cinema e as Outras Artes e Vice-coordenadora do GT de Estudos Fílmicos da Sopcom.

Eventos e Publicações

- Filmes (Ir)refletidos: Jornadas de Filosofia do Cinema http://labcom-ifp.ubi.pt/files/filosofiadocinema/

- Publicação do livro Filmes (Ir)refletidos: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/livro/313

- Terceiro Encontro Internacional de Cinema e as Outras Artes: http://labcom-ifp.ubi.pt/files/ocinemaeasoutrasartes/2018/

- Porto Femme International Film Festival: http://www.cecs.uminho.pt/porto-femme-international-film-festival/